Skip to main content

O rádio comunicador se tornou muito popular entre as empresas, por facilitar a comunicação a distância de seus colaboradores, manter o ambiente seguro e monitorado. Já o smartphone chegou para desbancar  o rádio com alto teor de tecnologia e acessibilidade.

Porém, essas duas tecnologias não precisam atuar de modo separado, já que juntos possuem uma potência de comunicação muito maior. Imagine unir a atualidade com o funcional e intensificar a produtividade dos colaboradores? Isso é possível com inovação.

E é exatamente essa inovação, que é capaz de transformar qualquer smartphone em um rádio comunicador, para que ao invés de dois itens, as empresas passam a usar apenas um e assim economiza recursos materiais e financeiros do seu caixa.

Se você ficou curioso para entender um pouco mais sobre essa temática, continue a leitura que contamos tudo!

História do Walkie Talkie

O walkie talkie também é conhecido como rádio comunicador, foi criado em 1940 pelos engenheiros de telecomunicações: o canadense Al Gross e o polonês Henryk Magnuski com o objetivo de melhorar a comunicação em zonas militares.

Mas o seu maior sucesso de venda, só foi em 1980 e continua disponível para aquisição no Brasil, apesar de já ser considerado uma tecnologia ultrapassada, é bastante útil para o cotidiano de muitas organizações.

E funciona apenas com a frequência de rádios em dois pontos: emissor que transmite a mensagem e o receptor que recebe a mensagem, precisam manter a sincronia em um canal igual.

Assim sempre haverá um emissor por vez e vários receptores, já que o aparelho permite que um recado seja enviado a toda equipe, como também permite envio individual. Por isso que ao final de cada mensagem é dito o famoso “Câmbio”, para os receptores saberem, quando será a sua vez de ser o emissor e responder a mensagem.

Criação do smartphone

O primeiro celular foi criado em 1973, pelo designer e engenheiro eletrotécnico Martin Cooper, o norte americano foi inventor do vício do século e foi denominado o “pai dos celulares”.

Porém não tinham o design e interface que conhecemos hoje, os aparelhos eram pesados e grandes, além de serem destinados apenas a consumidores com poder aquisitivo elevado. O seu modelo era até semelhante a um telefone comum sem fio, com antena e botões para digitas, não havia nada de touchscreen e aplicativos.

Mas com a sua evolução e graças à inovação tecnológica, hoje encontramos modelos que podem ser até mesmo dobráveis. Como é um item imprescindível no mundo corporativo e pessoal, as atualizações são muito rápidas e gradativas e o celular recebeu muitas utilidades, que facilitam a comunicação direta e momentânea.

Como o rádio comunicador se une ao smartphone?

A partir do momento que são criadas as tecnologias PTT, Push to talk e a PoC, push to cell, tem as funcionalidades de um rádio comunicador instaladas em softwares dos smartphones, que possibilitam a geolocalização e contato imediato com toda a equipe.

É muito utilizada por:

  • Varejo;
  • Empresas de logística como transportadoras;
  • Por lojas de varejo;
  • Utilities, serviços de utilidade pública, como indústrias de água.
  • Serviços de saúde;
  • Segurança privada;
  • Segurança pública. 

Além das mensagens serem gravadas e podem ser repetidas, para que o receptor possa escutar o recado novamente e a informação não se perca, deixando para trás a era do “câmbio, desligo”, para a substituição a apenas um palmo e segundos de distância.

É uma solução que ajuda o gestor a monitorar toda a sua equipe, e se comunicar de maneira mais prática através da tecnologia PTT, atende as empresas de todos esses segmentos e possui um excelente portfólio de resultados. 

Conheça a BiPTT e saiba mais como agregar o rádio comunicador ao smartphone corporativo da sua empresa.

Leia também: 5 motivos para não utilizar o whatsapp na sua empresa

Leave a Reply